Páginas

Esta foi a maneira que encontrei de dividir com vocês minhas alegrias, emoções, meus anseios, dúvidas, questionamentos,.. enfim, dividir um pouco de mim, afinal, ser mulher, mãe e esposa, não é fácil e eu não vim com manual de instruções!

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Blogagem Coletiva: Maternidade Real!

Oi meninas tudo bem? Me desculpem mas senti vontade de participar desta blogagem coletiva com vocês, pois por mais difícil que possa parecer, eu faço parte de uma "Maternidade Real" um pouco diferente da de vocês, mas não menos real! Sei que era para divulgar como é ser mãe de verdade, sem contos de fadas ou teoria, e sim na prática, mas o que quero divulgar é algo que não esta em nenhum conto de fadas (nem na parte da madrasta ou das bruxas) e muito menos em livros de teoria, o que vou partilhar é a mais pura e dolorosa prática de ser mãe!

Quando engravidamos, começamos a imaginar qual será o sexo, o nome, com quem irá parecer, qual será a decoração do quarto, lembrancinhas, como será na escola, na adolescencia, e todas as outras coisas que quem já engravidou um dia sabe muito bem! Mas em nenhum momento passa pela nossa cabeça de verdade, como é ser mãe e depois não poder fazer nada do que planejamos. 
Assim que fiquei sabendo da minha gravidez, eu senti um misto de desespero e felicidade plena. Não conseguia acreditar que tinha uma vida dentro de mim. Quando fiz a primeira ultra também não acreditei, e os chutes então? era muito estranho. Fiz planos como qualquer grávida normal e até planejei sobre a educação do meu bebê ( eu sou vidrada na Super Nany e acreditem, tudo o que ela diz é verdade! Experiência com meus alunos!!!) Eu e o Xuxu brigamos diversas vezes sobre isso, pois ele é muito permissivo e eu mais controladora, mas nunca imaginamos que ser pai e mãe seria tão intenso e rápido para a gente naquele momento.

É dificil explicar o que se sente ao ouvir o choro do seu filho quando nasce. Naquele momento parece que deixamos de ser quem éramos e nos tornamos uma pessoa melhor! Também não sei explicar o fato de não poder ver seu filho, e quando tem a possibilidade, vê aquela criança tão amada, desejada, frágil, envolta á fios, agulhas, e com muitos aparelhos envolta. É difícil explicar a sensação de ter hora marcada para ver seu filho e quando isto acontece, não poder ao menos pegar no colo e dizer:"_Filho, a mamãe esta aqui, vai ficar tudo bem!", agora o que não tem explicação mesmo é ouvir de um Pediatra da UTI neo-natal as seguintes palavras:_Eu sinto muito. Não tenho o que dizer, pois não tenho uma explicação humana para dizer o que aconteceu. Se vocês permitirem a necrópcia talvez possamos entrar uma explicação! É dificil explicar o que se sente ao pegar a certidão de nascimento e ler o nome do seu filho em letras garrafais como eu li da minha filha: OLÍVIA MARQUES LEMES CASTRO, mas é mais difícil ainda, receber junto com a certidão de nascimento a certidão de óbito contendo o mesmo nome com as mesmas letras garrafais. É difícil explicar você acordar a noite e pedir ao seu marido para que aumente o ar pois não esta aguentado de calor e esta toda suada, e quando o dia vem, você percebe que não era calor, era leite, vazando pelos seus poros, leite materno, o melhor alimento que um recém-nascido pode ter, passa até no comercial da TV, mas você não tem ninguém para alimentar, mesmo assim ele não entende e não para de sair, mesmo assim, você tem que usar protetor de seio. Realmente isto não esta escrito em nenhum livro, em nenhum livrinho de história infantil e muito menos passa na cabeça de qualquer futura mãe ou pai ouvir. Quando isso aconteceu, parece que alguém estou aquele balãozinho de sonho que fica em cima da nossa cabeça quando pensamos sem nenhum dó ou piedade e sem ao menos dizer que vai o fazer.

Hoje, o que eu tenho para dividir com vocês sobre a maternidade é isso. Mas eu sei que em breve, irei participar desta blogagem novamente, contando como é limpar coco da cama, "queijinho" da gravata do papai, noites e noites sem dormir me tornando uma Zumbi, e depois me tornar Fada não é mesmo Van? Quero dividir com vocês AnaCamilaSandraBruna, e todas as outras mães que estão junto comigo e me permitem dividir um pouco de tudo o que acontece na vida do seus pequeninos. E vejam o lado bom... Vou poder me aconselhar muuuuuuuuuito e tirar muitas dúvidas, apesar de saber que cada criança e cada mãe é de um jeito e o que deu certo com a Ana, não necessariamente vai dar certo comigo, mas mesmo assim eu serei A MELHOR MÃE QUE EU PUDER SER!

Me desculpem se não era bem isto que vocês que estavam querendo "ouvir" quando tiveram a idéia sobre a blogagem coletiva, mas eu precisava fazer parte, EU TAMBÉM SOU MÃE E VIVI A MATERNIDADE, mesmo que por 30 horas, mesmo que da forma mais dolorosa possível. Eu ainda sou mãe, apesar de não ter minha filha fisicamente ao meu lado, me proporcionando histórias e acontecimentos legais ou não para postar, mas eu tenho sim uma filha dentro do meu coração que é o lugar mais especial que ela poderia estar!

Com todo amor e carinho que existe em meu coração,

Roberta
"é como o vento, não posso ver, não posso tocar, mas posso sentir!"

10 comentários:

  1. OLa Roberta se vc nao se importa estou acompanhando seu blog esses dias, mas so hj li alguns post e pude compreende esse post atual, nao posso dizer que imagino o que vc passou, pq so sabe quem passa, mas tento creia que DEUS vai te da a vitoria, a gloria da segunda casa sera maior que da primeira nao e assim q a palavra diz entao creia .DEUS E CONTIGO E MELHOR ESTAR POR VIM. fik com DEUS e beijinhosssss

    ResponderExcluir
  2. Você em hipótese alguma precisa pedir desculpas...essa é a sua realidade, e é justamente isso que a blogagem coletiva propôs...!!!

    Eu tenho a mais absoluta certeza que muito em breve estaremos partilhando experiências de cuidados com o bebê!!!

    Beijos mil pra você querida!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi Roberta querida....
    Linda, sua filha não existe só no seu coração! Ela existe de verdade e está nos braços de Deus... Então você vai ser para sempre mãe dela, só não estão juntas fisicamente.
    Na sua maternidade os papéis estão trocados,pois hoje a Olívia tem mais condições de cuidar de você do que você dela, isso por que é uma santa e pode interceder por você junto a Deus.
    Eu não sei qual sua religião, embora saiba que tem uma grande fé. Eu sou católica, e sei que os santos não são só os reconhecidos pela igreja, Santo é todo aquele que conseguiu encontrar a graça de estar junto de Deus. Bebês morrem sem pecado e se tornam santos, sua bebê está no melhor lugar que poderia estar, se bem que eu sei que não é o que desejamos, sempre queremos nossos filhos com a gente.
    Quando o Pedro nasceu foi tudo bem, no terceiro dia eu o trouxe para casa e na mesma primeira noite em casa ele teve febre muito alta. As tres da manha corremos para a santa casa e eu ouvi do médico que "só as horas diriam se ele iria sobreviver ou morrer"... ele foi furado inumeras vezes, internado, teve o braço engessado (para ter acesso à veia), ficou com fios pelo corpinho.... Sabe Roberta, eu já passei por dificuldades na minha vida, mas com certeza nada se compara com a dor que eu senti naqueles dias... eu nunca tive tanto medo... eu nunca me senti tão impotente... eu nunca senti tanta dor... Eu não sei a dor de perder um filho, mas conheço o medo dessas horas em que não sabeos o que vai acontecer, e para mim não tem medo maior nessa vida.
    Você não está com sua filha aqui, mas viveu o que de mais intenso tem na maternidade, que é o amor.

    Deus te abençoe linda e que a Olivia possa interceder sempre pela mamãe e pelo papai (e se ela puder, por todos nós)... ah, e também pelo irmãozinho (a) dela que se Deus quiser em breve dará o ar da graça para nós!

    Beijos
    obrigada pelos comentários no meu blog, fiquei emocionada com o que escreveu.
    Bru

    ResponderExcluir
  4. OBRIGADA PELA VISITA AO MEU BLOG E PELO CARINHO,REALMENTE PRECISO FICAR CALMA...
    ENTÃO,EU MORO SIM NO LITORAL SUL,
    PRAIA GRANDE E VC ?

    BJS

    ResponderExcluir
  5. kkk SOU DA TUPY,ENTÃO VC É DO FORTE...QUE LEGAL ROBERTA.

    SEMPRE PRUCUREI BLOGUEIRAS DA BAIXADA...

    VAMOS MANTER CONTATO...

    ResponderExcluir
  6. roberta não apareceu o convite no msn,passa o seu pra mim


    prisciladelbon@hotmail.com

    esse é meu (email e msn) ok

    ResponderExcluir
  7. olá Roberta, sou sua amiga de oração!
    E hoje lendo este post, fiquei meio sem ação, sinceramente nao sei o que dizer pra vc... mais sei que DEUS que tudo pode fazer , sabe e ja tem cuidado de vc!

    "Que Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe, e faça resplandecer o seu rosto sobre nós". Salmo 67/01
    bjs e um otimo domingo!

    ResponderExcluir
  8. Oi flor foi com os olhos vertendo lágrimas escrevo aqui que posso compreender cada uma de suas palavras pois passei pelo mesmo,mas nesse momento fiquei totalmente paralizada sem saber o que dizer,apenas que sesejo de coração que sejas muito feliz,que logo nos conte como está sendo ser mamãe novamente....

    bejinhos...
    Fique com Deus

    ResponderExcluir
  9. Oi querida,
    Eu creio que se vc é cristã, então, um dia vai reencontrar sua filha e lá não haverá choro, nem dor, nem tristeza.
    Eu não ouso tentar explicar porquê vc passou por essa experiência aqui, mas pela fé creio que um dia toda essa sua tristeza se transformará em alegria.
    E acho muito legal vc lutar para ter outros filhos aqui nesta terra, no seu lugar eu faria o mesmo!!! E estou torcendo para que isso ocorro logo.
    Bjss

    ResponderExcluir

Bem vindo! Deixe um recadinho. Sua opinião é importante para mim e eu adoro quando você comenta! =)